26 de set de 2010

Praia


Fazem uns dois meses que eu tenho três elementos na vida: a Areia, o Sol e o Mar. Mas o mais estranho é que eles parecem que trocam de lugar, que o meu Sol pede pra ficar no lugar do Senhor Mar e tumultua a minha vida. É estranho. Muito estranho. A areia é meu chão, é resistente, eu sempre consigo contar com ela, apesar de sua fofura e de nunca conseguir pegá-la por ela correr entre os meus dedos. É muito bom ter uma base, mas essa é um tanto quanto instável, o que provoca uma instabilidade em mim, na minha vida. O Sol me aquece, me enlouquece com tanto carinho mas ele vive tão longe. Ele me atinge, me alcança mas só quando pode e isso me magoa, eu queria poder morar ao seu lado, ter os mesmos objetivos orbitais que você, Sol, mas não dá, eu vivo aqui na Terra. Sou tão pequena, sou menor que o grão da minha Areia pra você. E, eu sinto muito, não poder me transformar numa estrela como você acha que eu sou, talvez a solução é a amizade e a admiração. Daqui, eu sempre te vejo nascer, mostrando seu carinho e beleza por mim. Pena que eu, pobre e reles mortal, não possa retribuir. Ah Mar! Querido Mar. Eu não sei como lidar com você é o mais palpável dos três, mas é o mais agitado, confuso e explosivo. Eu queria que você deixasse que meus pés tocassem você, na beira da praia. E que você não fugisse, só porque eu fugi com medo, antes. Eu não quero que você toque pés mais belos e decididos que os meus, eu quero instabilidade entre nós, se é que existe isso entre uma menina e o mar (Ana e o Mar – O Teatro Mágico). O que sei, é que não quero viver sem vocês, me ensina como viver com vocês amigos? Ensinem-me?

Nenhum comentário:

Postar um comentário